Roberto Medeiros o gigante do Samanaú e sua trajetória na crônica esportiva caicoense

Nosso Papo de Boleiro conversou na manhã dessa segunda-feira (13) com Roberto Medeiros, radialista caicoense que ficou conhecido por muito tempo como o gigante do Samanaú que se destacou cobrindo por muitos anos o Coríntians de Caicó. Vamos a entrevista.

Como teve início sua carreira na crônica esportiva

Em 1996, precisamente no dia 08 de julho na Rádio Caicó que era dirigida por Suerda Medeiros, na época começamos com um programa de 30 minutos ao lado de Revil Alves e seu irmão Ricardo Pompeu, o programa era voltado para cobrir o esporte amador da nossa cidade. No ano seguinte fui para Rádio Seridó, onde na oportunidade iniciei minha trajetória cobrindo esporte profissional, onde fui setorista do Clube Atlético Piranhas na 2° divisão do Campeonato Potiguar.

Quando você começou a trabalhar como setorista do Coríntians de Caicó

No ano de 2000, com o retorno do Coríntians de Caicó a elite do futebol potiguar, na época o Galo do Seridó era comandado por Sergio Lopes, um treinador gaúcho que veio desenvolver seu trabalho em nossa cidade.

Qual foi a data mais marcante para você na crônica esportiva

Tive muitos bons momentos, foram 15 anos cobrindo o Coríntians de Caicó, o título estadual, participação na Copa do Brasil, em 1997 cobrimos a série A do campeonato brasileiro com a participação do América, cobri jogos com grandes equipes, foi aí que conheci dezenas de cronistas esportivos consagrados em nosso país. O mais importante de todos foi a entrevista que fiz com Petikovic em 2001 pela Copa do Brasil, no estádio Machadão em Natal, na época o ABC enfrentava o Flamengo, no intervalo do jogo fui em busca de Petkovic , a Globo chegou em seguida entrevistamos o atleta do Flamengo juntos e minha imagem com a camisa do Café Bangu rodou todo o país através da televisão. Naquele momento o filho de Tatá que era dono do Café Bangu estava assistindo o jogo lá de Brasília, imediatamente ligou para o seu pai ligar sua televisão para ver que a marca Café Bangu estava sendo exibida na televisão. No dia seguinte, Tatá me chamou e aumentou em 5 vezes o valor do patrocínio dado a nossa equipe de esporte.

Como foi ser setorista do Coríntians de Caicó torcendo pelo seu arquirrival o Caicó Esporte Clube?

O Coríntians me ajudou muito, foram 15 anos cobrindo a equipe, vários radialistas de toda a parte do país entrava em contato comigo para pegar informações do clube. Não tive dificuldades em cobrir o Galo do Seridó, sempre fiz um trabalho muito profissional, independente, trabalho sério  e é por isso que o torcedor me aceitou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *